Escolha uma Página

Categoria

Web Design
Como analisar seu próprio Site (com dicas de ferramentas)

Como analisar seu próprio Site (com dicas de ferramentas)

Quantas vezes você já pediu para sua família e amigos olharem e comentarem seu site e não recebeu mais do que comentários vagos que não ajudaram muito? É frustrante.

E quando você mesmo tenta analisar seu site com um olhar crítico, é difícil saber por onde começar e ser objetivo em relação à sua marca, a usabilidade e ao design, especialmente se você mesmo o criou.

Você pode começar perguntando para um amigo que você confia e que de preferência esteja no mercado que você atua, para que as críticas construtivas sejam também acionáveis.

Analisar um site é muita intuição e visão baseada em experiência, mas nesse post listei os pontos principais que analiso quando reviso um site.

PROPÓSITO E PROPOSTA DE MARCA

Todo mundo sabe que temos 9 segundos para prender a atenção de um visitante na página inicial.

Embora ainda existam designers que preguem a regra de que sua oferta precisa estar logo na primeira seção do site, sem que o visitante precise rolar a página, esse approach vem perdendo força.

Estamos cada vez mais acostumados a rolar as páginas, principalmente no celular. Por isso acho mais efetivo dizer o que você faz e como você faz logo de cara.

Essa informação é vital para sua marca e deve aparecer no topo da home page. É a chance compartilhar o seu “porquê” e dizer às pessoas o que te diferencia dos seus concorrentes.

 

IMPACTO VISUAL

Esta é uma daquelas coisas mais intuitivas e difíceis de medir.

A regra de ouro hoje é “menos é mais”.

Vejo muitos sites com mais de 10 imagens rodando na primeira página (os terríveis sliders) ou um combinado de imagens e ideias que não combinam, só para tentar chamar a atenção das pessoas antes que elas saiam do site.

Conhece o termo taxa de rejeição? Refere-se aos visitantes que saem do site imediatamente sem clicar ou rolar a página.

Se você apresentar muitas ideias de uma vez, a sua taxa de rejeição será alta. Em vez disso, seja ousado e seletivo. Acredite em seu produto ou serviço e o que você tem a dizer sobre ele. Uma única imagem e uma declaração simples e sincera terá muito mais impacto do que uma apresentação de slides sem fim ou uma mensagem complicada.

 

LINGUAGEM

Se você oferece um trabalho que é mais visual, como design ou fotografia, é fácil assumir que “não sou escritor” e fazer um conteúdo mais ou menos para seu site.

Só que pessoas compram de pessoas e de experiências, e você precisa aproveitar todas as oportunidades para se conectar com seu cliente ideal. Esqueça o que é “profissional”.

Seja mais informal e não perca nenhuma oportunidade de colocar personalidade no seu site.

Um bom exemplo é a mensagem de sucesso que você vê depois de enviar um formulário de contato. Muitas vezes é deixado na configuração padrão, que é “Seu formulário foi enviado com sucesso”.

Mas, é essa mesmo a última mensagem que você quer que alguém veja quando sai do seu site?

 

NAVEGAÇÃO

O segredo aqui é fazer as pessoas darem o mínimo de cliques possíveis para navegar e colocar os itens do menu na ordem que você deseja que elas sigam para experimentar seu site.

Certifique-se de que as áreas para as quais seus visitantes provavelmente vão retornar sejam acessíveis com um único clique, como por exemplo, a página de Serviços ou a página de Contato.

Ter “chamadas para ação” claras em todas as páginas é muito importante para sua navegação. As frases de “chamada para ação” não precisam ser muito marqueteiras ou forçando vendas.

No final da sua página Sobre, você pode dizer algo como “Veja meu Portfolio”, por exemplo.

E, se SEO for importante para você, não use palavras alternativas para partes importantes do site. Dar o nome de “Notícias” ou “Artigos” na sua página de Blog, por exemplo, pode dificultar que suas postagens sejam encontradas pelo Google.

 

TIPOGRAFIA

Como este não é um post sobre como escolher fontes, vou me limitar ao básico em relação a esse tema tão importante.

Só quero deixar anotado que a escolha das fontes deve acontecer bem antes de começar a criar seu site.

Muitas vezes vejo sites que usam várias fontes diferentes sem querer, porque elas são muito parecidas. Anote suas fontes em algum lugar de fácil acesso para não acontecer isso com você.

Tenha no máximo três fontes, a menos que você realmente saiba o que está fazendo. O segredo para ter uma tipografia agradável é dar atenção aos detalhes. Não ignore itens pequenos como os menus e os botões. Deixar as fontes padrão que não são as que você escolheu, pode resultar em uma aparência confusa.

 

FACILIDADE DE USO NO CELULAR

Isso nos leva a discutir a usabilidade em dispositivos móveis. Ninguém tem todos os dispositivos móveis do mercado para testar em tempo real, mas é possível saber, usando o Google Analytics, quais dispositivos as pessoas estão usando para visitar seu site.

Para uma visão abrangente do seu site em vários dispositivos, tente apertar o F12 no seu teclado para abrir o Google Developer Tools e veja como ele ficaria em vários dispositivos.

Com mais de 80% das primeiras visitas acontecendo em dispositivos móveis, você não pode deixar que a experiência de seu visitante pelo celular seja decepcionante.

Ter que aplicar zoom para ver o texto é irritante e, com o Google Mobile First Index em funcionamento, sites não responsivos serão punidos pela ferramenta.

O ideal é escolher uma plataforma de website que permita o ajuste para celular e tablet separadamente. Muitos temas em WordPress como o Divi, ProPhoto6 e Showit te deixam fazer isso.

VELOCIDADE

Com o uso de dispositivos móveis superando as visualizações em desktop, um site que carregue rápido é crucial e o tamanho das imagens costuma ser o principal vilão. Sempre otimize suas imagens usando ferramentas de compressão como Tinypng ou mesmo o Photoshop.

E não se esqueça de testar a velocidade do seu site usando Pingdom ou Website Grader.

 

Conclusões Finais

Não existe site perfeito. O que existe é site em aperfeiçoamento. Por isso, revise esses pontos sempre que sentir que alguma coisa mudou na sua empresa ou que já é hora de iniciar uma nova fase de crescimento online. Lembre-se: seu site é sua casa e é sua responsabilidade mante-la arrumada!

Achou que esse post te ajudou? Se você faz mais alguma coisa para analisar seu site, me conte nos comentários!

Perguntas certas para escolher seu Webdesigner

Perguntas certas para escolher seu Webdesigner

Não fique mais no escuro! Saiba as principais perguntas que você precisa fazer para escolher um webdesigner para sua iniciativa.

 

Eu acredito na liberdade e na autonomia do ser humano. E quando vejo pessoas “amarrando” outras através que sabem, fico muito incomodada.

 

A filosofia da liberdade de escolha, de ir e vir permeia todas as minhas ações dentro da Como Ser Digital. Tudo o que faço para minhas clientes não é meu. É delas.
Eu sou só uma ferramenta de realização de algo maior, a concretização de uma ideia no âmbito digital.

 

Essa filosofia é muito bem representada pela figura da construção de um site. Sem querer simplificar demais, mas simplificando é assim: Você tem uma ideia e uma mensagem e precisa que elas se unam em um formato bonito que possibilite a propagação na internet. Isso é um site.

Por mais simples que pareça, fazer isso dá um trabalhão e requer sim muitos outros conhecimentos, além da ideia e da mensagem.

E é aí que a coisa começa a pegar….

 

Você decide fazer seu site, construir sua casinha virtual para colocar sua mensagem para o mundo. Busca uma agência, uma empresa ou alguém que saiba fazer isso.
Conversa com a pessoa e sai com mais dúvidas do que antes, sem uma noção clara de como e o que contratar desses profissionais e de como vai ser isso tudo depois de pronto.

Primeira coisa que quero te dizer: Tá tudo bem você não saber, ok? Não estamos nesse mundo para saber tudo. Sua mensagem de transformação é maior do que o simples fato de você não saber o que um site precisa ou não ter.

Segunda coisa: você está prestes a resolver esse problema, porque nesse post vou te contar e te falar o que você precisa saber para contratar o webdesigner ideal para você!

 

Primeiro ambiente-se com os principais conceitos e nomenclaturas importantes antes de começar a fazer as perguntas:

SITE é conjunto de informações e/ou páginas  que apresentam seus produtos ou serviços na internet.

DOMÍNIO é o seu endereço ( ex.: www.seusite.com)

HOSPEDAGEM é o lugar onde você vai construir seu site ( imagine que você está alugando um terreno para construir sua casa, a hospedagem é o terreno)

RESPONSIVO é um site que abre bonitinho em todas as telas (computador, tablet e celular)

CALL TO ACTION são frases, botões e designs que direcionam o usuário a entrar em ação no seu site. É aquele botão que diz QUERO SABER MAIS ou uma frase que convida FAÇA UMA SESSÂO GRATUITA.

Certo?

Com isso na cabeça, ou em mãos, vamos às perguntas principais que você deve fazer antes de contratar seu web designer.

Pergunta 1: Você é especialista em que tipo de site?

 

Basicamente existem 4 tipos de site:

  1. Institucional – que é para empresas que tem a página principal, uma página falando dos serviços, uma página com um formulário de contato e demais páginas que formam um site – normalmente são 5 ou 6 páginas
  2. Blog – para pessoas que querem falar sobre seu estilo de vida, ser influencers. O blog é um site que deixa você escrever textos nele.
  3. One Page – Um institucional simplificado onde todas as informações estão em uma única página com um único call to action no final.
  4. E-commerce – o nome já diz – é loja virtual. Uma gama completamente diferente das três primeiras

Mas Ana, por que essa informação é importante?

Cada tipo requer uma visão diferente porque sites tem diferentes objetivos que vão de acordo com o momento que sua empresa está vivendo hoje.

O site institucional por exemplo, precisa ser profissional, passar credibilidade e seriedade, tem uma ordem lógica e esperada para os usuários. Sua principal missão é posicionar a empresa, mostrar o que ela é e o que ela não é e servir como uma plataforma de relacionamento, com FAQs, FALE CONOSCO, a história da empresa.

Já o site One Page deve ser rápido e assertivo. Sua missão é fazer a pessoa entrar em contato com você ali, naquele momento. Acertar o usuário como uma flecha e fazer ele entrar em ação em poucos minutos.

Para um blog é preciso entender melhor a essência da pessoa que vai escrever ali. É uma postura mais informal, e seu principal objetivo é engajar.

Para o ecommerce tem que ser uma pessoa que saiba muito de integrações e ferramentas de otimização de lojas virtuais.

Também é comum sites institucionais e One Page com Blogs de conteúdo.

Pense que tipo de site você precisa e busque empresas que você perceba que poderiam entregar o melhor resultado.

Pergunta 2: Como é o seu processo de criação depois que a gente fechar?

 

Saber como é o fluxo de trabalho da pessoa que você vai contratar é muito importante. Aqui na CSD tenho a reunião de briefing com um questionário de perguntas sobre branding, missão, visão e valores, referencias de outros sites, ídolos e inspirações.

Meu processo começa tentando entender e imaginar como a pessoa imagina o seu próprio site. Esse fluxo tem um tempo para acontecer e é importante você saber como ele é antes de fechar. Quantas reuniões vamos fazer? Quantas revisões tenho direito? Vou poder acompanhar o andamento – ir olhando como está o site?

Não deixe de participar do processo para que o resultado seja o mais próximo possível do que você mesma imaginou.

Pergunta 3: Em quanto tempo você me entrega o site depois que eu te passar todo o conteúdo?

 

Para um site ser entregue o webdesigner precisa do conteúdo. Os textos falando sobre sua iniciativa e seus serviços, seu logo e imagens da marca, os dados de contato – enfim – todas as informações que vão ser colocadas no site e que devem vir de você.

Considerando que você tenha passado para ele todo o conteúdo e considerando que ele utilize a plataforma WORDPRESS, um site não deve demorar mais de 15 dias para ser entregue. Veja bem – estamos falando de sites para pessoas físicas e pequenas empresas.

Se ele diz que vai demorar muito mais do que isso, depois que todo o conteúdo está na mão dele, você está entrando na fila do designer. Ou seja, ele tem outros sites na frente do seu e vai fazer o seu assim que terminar os outros.

Pergunta 4: Quanto tempo de suporte grátis você dá depois que o site for entregue?

 

Site novo é igual casa nova. Sempre tem alguma coisa para melhorar e só usando você começa a ver onde estão os probleminhas e onde é preciso ajustar.

Um suporte mínimo de 30 dias é uma boa prática que seu webdesigner pode adotar depois da entrega final.

Nesse período, alterações pequenas, problemas de funcionamento e ajustes devem ser gratuitos. Peça para que essa informação seja colocada claramente no contrato.

Pergunta 5: Você oferece serviço de manutenção mensal?

 

Depois que acabam os 30 dias de suporte, é interessante ter alguém na manga para resolver os “bugs” do dia a dia.

Atualizações de tema, plugins, erros na página. Coisas que podem tirar seu site do ar.

Por isso pergunte se a pessoa ou empresa tem um pacote – já pergunte o valor logo de cara – para depois não ser pega de surpresa. Acredite, ter alguém para te assessorar na parte técnica é paz de espírito para você!

Aqui na CSD tenho pacotes de manutenção para clientes que fazem o site comigo. Me envolvo no processo de criação de tal forma que gosto de continuar cuidando do site depois de pronto!

Pergunta 6: Você dá algum treinamento de como usar a plataforma WordPress?

 

Volto a falar aqui sobre autonomia e independência.

Tem coisas que realmente você não precisa saber fazer, como a manutenção, a configuração e a parte técnica. Mas também sempre depender de um terceiro para tudo não é o cenário ideal para quem empreende sozinha.

Existe um patamar mínimo de conhecimento e envolvimento que você precisa ter com o seu site para mantê-lo saudável. E isso se resume muitas vezes a saber fazer e postar seus próprios artigos e imagens.

Então essa pergunta é importante para saber qual será o nível de autonomia que você vai ter para tocar o dia a dia do site e se essa contratação não vai terminar sendo um trabalho de amarração onde você nunca mais vai poder se livrar da empresa que está contratando.

Peça para eles te ensinarem a fazer seus posts, e a deixá-los otimizados para SEO (buscadores).

Minhas clientes na maioria, querem saber como coordenar seus artigos dentro do site. Por isso meus pacotes tem as aulas de como usar o painel do worpdress.
E quando vejo que elas estão caminhando para aprender mais, aconselho fazer um cursinho básico de wordpress para aprenderem a administrar o site.

E finalmente…

 

O preço. Sim, esse elefante branco que assusta todo mundo.

Preço de site é relativo. Faça no mínimo 3 consultas e que uma delas seja com um freelancer.

Duvide de ofertas muuuito baratas. A não ser que você já conheça o trabalho da pessoa, tente ir com quem tem um preço médio e que a forma de trabalho seja alinhada com a sua.

Fuja de sites gratuitos que limitam seu crescimento mais para frente. E dê chances para quem também esteja começando.

 

Aqui na CSD sempre tive a sorte de trabalhar com pessoas muito alinhadas com minha personalidade e ritmo.

Cada site teve sua história e me trouxe enormes aprendizados.

O principal deles que quero compartilhar aqui com vocês é: nenhum site é e nem deve ser igual ao outro.

Somos únicos e nossa presença digital deve conseguir traduzir isso. A criação de um site deve ser um processo fluído e um projeto de co-criação com seu webdesigner. Curta esse processo!

Se esse post foi útil para você, compartilhe!!

 

 

5 Coisas que Você Precisa ter Antes de Criar seu Site

5 Coisas que Você Precisa ter Antes de Criar seu Site

Ter um site hoje em dia é fácil. Qualquer pessoa com uma conexão de internet, um produto ou serviço e um tempinho disponível consegue fazer um.
Existem inúmeras plataformas disponíveis, muitas delas gratuitas e de interface amigável para gerenciar.
Mas ter um site que engaja, vende, aparece no Google e com um design lindo, aí é outra história.
Antes de sair por aí fazendo qualquer coisa, veja as 5 coisas que você precisa ter antes de criar seu site

O mundo digital está em eterna evolução. A cada dia, mais e mais pessoas tem acesso a esse universo, e a cada ano essas pessoas estão mais e mais entendidas no assunto. Antigamente ter um site era sinal de prestígio e inovação. “Nossa, eles até tem um site!” dizíamos. Esse sentimento de “UAU!” era porque para se ter um site era necessário contratar um desenvolvedor de HTML, uma empresa de hospedagem e ter suporte 24horas por dia para qualquer alteração.

Hoje, não muito tempo depois, vemos no mundo digital um crescimento vertiginoso de sites de todos os tipos. Blogs, Sites Institucionais, portfólios, sites pessoais, loja virtual… todos criados em plataformas “faça você mesmo” onde praticamente qualquer pessoa, com pouca ou nenhuma experiência em sites consegue, em questão de horas, estar online.
Isso é a evolução da era digital acontecendo diariamente e que acredito que será cada vez mais rápida e inclusiva nesse aspecto. Ponto positivo para o mundo!

Porém há um viés interessante. Quanto mais pessoas criam sites, mais cheia a internet vai ficando e mais difícil vai ficando também, “aparecer” nesse oceano de sites. O que acontece a seguir é obvio: a frustração de ter um site que não tem visitas, não engaja, não vende e não traz os resultados esperados.
Trabalhar uma presença digital nos dias de hoje requer alguns comprometimentos, que muitas vezes não estamos tão dispostos assim a fazer.

Veja as 5 coisas que você precisa ter antes de montar seu site:

1. Disponibilidade de Tempo

O tempo é hoje nosso principal recurso, o nosso bem mais valioso. Escolhemos diariamente onde e como vamos investí-lo.

Algumas pessoas planejam mais que outras, fazendo suas listas de resoluções e tarefas. Há também aquelas que simplesmente seguem o fluxo de cada dia. Zero planejamento.

Em qualquer uma das opções, o tempo que investimos em nossos projetos de vida e tarefas diárias é proporcional ao quanto realmente queremos ou precisamos realizá-las. Eu acredito mais em “querer realizar” porque é comum postergarmos fazer o que precisamos… Mas enfim, no caso de ter um site, a regra se aplica da mesma forma.

Entrar no Wix e fazer seu site é incrivelmente rápido. Mas se destacar na multidão, requer um investimento maior do seu tempo.

Identidade visual, missão, imagens, definição do público alvo, conteúdo e posicionamento são só alguns dos pilares para ter um site incrível. Porém são coisas que nem todo mundo está disposto a estudar, aprender e se dedicar. Muitas pessoas decidem fazer elas mesmas seu site para “economizar” dinheiro e terminam com um site esquizofrênico perdido na net. E é nesse cenário que mora o fracasso. O barato que sai caro.

Não existe formula mágica.  Você só vai ter um resultado excelente, se dedicar o seu tempo. Não estou dizendo que você precisa aprender tudo isso para poder montar seu site. Onde quero chegar é que não existe milagre se o santo não aparece.

Aprendendo você mesma ou contratando um profissional para percorrer esse caminho, a dedicação do seu tempo é o que vai te levar a criar um site incrível.

2. Uma Identidade Visual

Não adianta. O ser humano é visual. Imagens, cores e movimento nos geram sensações positivas e negativas. Um site sem identidade visual, é como você sair de casa vestido igual a todo mundo – você passa despercebido, ninguém nota você.

A essência da sua mensagem, da sua missão como empreendedora deve estar de alguma forma representada visualmente no seu site e redes sociais. As cores que você usa, seu logotipo, o layout do site, a tipografia, as imagens, tudo isso envia uma mensagem e gera nas pessoas uma sensação. Com uma identidade visual bem trabalhada você consegue transmitir calma e paz em um site de yoga ou massagens por exemplo. Passar uma sensação de motivação e foco se for um Coach de vida. Alegria e descontração em um site de artesanato.

Tudo deve estar ligado e conectado com sua essência, com a mensagem que você quer passar.

Por isso, por favor,  pare de fazer qualquer coisa de qualquer cor, com qualquer letra e pense: O que quero que as pessoas sintam ao entrar no meu site? O que espero que elas façam depois de ler meu post? Busque informações sobre identidade visual. Busque profissionais de design para te ajudarem nesse processo.

Volto a dizer que no mundo digital, o caminho não é fácil e não há fórmulas mágicas. Seja você em todos os aspectos da sua marca, invista na sua identidade visual e vai começar a chamar a atenção das pessoas certas.

3. Fotos Decentes (muitas)

Sim, sim e sim. Não tem mais desculpa que caiba no ano de 2018, para você não ter imagens decentes suas, dos seus produtos ou da sua marca.

Se sua desculpa for: “Ana, eu não tenho grana e sou ruim de fotos” – te direi: “Amiga, receita de bolo: Junte 1 celular, um tutorial do youtube, um editor de fotos e faça fotos incríveis do que quiser.”

Se a desculpa for “Ah mas não tenho tempo de ficar vendo tutorial pra ficar tirando e editando fotos” – te direi: “Amiga, leia o ponto 1 desse post ou contrate um profissional.”

Mas se você estiver com a intenção de montar um e-commerce, com milhares de fotos de produtos vou te dizer: “Amiga, compre um mini estúdio ou monte um estúdio e mãos à obra.”

Imagens são os pontos de luz de um site. Sabe aquele projeto de iluminação da sua casa? É isso que as fotos conseguem fazer. Elas direcionam o olhar, humanizam seu site, personalizam sua marca, demonstram seu produto da forma correta. Quem não ama passar a lupinha num produto?

Pense nisso quando estiver achando tudo “muito caro” para fazer. É a sua reputação que está em jogo. Não brinque com isso.

4. Se posicionar – e não sofrer…

Quem é você? O que a sua empresa faz? Quem é seu cliente ideal? O que você espera que sua empresa seja? O que você espera que ela NÃO seja?

Perguntas típicas de posicionamento. Como diria meu querido professor Guilherme Sebastiany: “Posicionamento é renúncia.”
Se posicionar é principalmente abrir mão do que pode atrapalhar seu progresso, dando passagem SOMENTE para o que vai alavancar seu progresso. E isso dói. Tem que aguentar!

Qualquer empreendedora iniciante – e me incluo nessa lista gente! – tem uma pequena ou enorme tendência a querer fazer/vender/ser tudo para todo mundo.

Os principais pensamentos que rondam esse comportamento se parecem com esses aqui:
“Ah, estou só começando, o que me pedirem para fazer eu faço.”
Ou
“Meu produto é muito bom. Qualquer pessoa pode comprar.”
Ou
“Estou precisando muito desse dinheiro. Vou fazer mesmo assim”

Começamos a achar que nossa ideia serve para todo mundo que queira nos contratar e sofremos quando uma pessoa nos procura por algo que não queremos ou não sabemos fazer. Ficamos compelidas a dizer que sim!

Isso funciona – até a página 2. Lá na frente, quando você tiver um público totalmente desconectado do propósito da sua marca, um site com poucas visitas e redes sociais sem engajamento, você vai ficar bem chateada e vai lembrar de mim dizendo: “Amiga, quem quer ser tudo para todo mundo, acaba sendo nada para ninguém” Frase incrível da minha querida Maria Ross – expert em branding.

Por isso, tenha um posicionamento claro. Saiba, desde o início, para quem e com quem você quer trabalhar. Saiba escolher muito bem os produtos e serviços que irá ofertar. Tenha seu “pitch de elevador” na ponta da língua. Trabalhe constantemente para ser uma referência de algo espetacular que só você sabe fazer para aquele público e conseguirá tê-los a seus pés.

E finalmente você vai precisar de…

5. Conteúdo

Eu sei que você está cansada de ouvir isso. Eu também estou. Mas conteúdo é muito importante. Mesmo. Sério. E dá trabalho. Muito mesmo. Sério também.

Mas tem solução. Duas na verdade.

A primeira é pagar para alguém fazer para você. Tem um monte de profissionais capacitados que trabalham com isso e transformam qualquer assunto num super post, preparado para SEO, cheio de palavras chave, frases de efeito… lindo! Solução excelente para quem não gosta, não tem jeito e nem quer escrever nada para ninguém. E tudo bem não gostar de escrever.

A segunda solução é você mesma fazer. E é uma questão de hábito e força de vontade. Sem conteúdo, seu site é uma embalagem vazia. É legal ter posts escritos por você porque as pessoas “ouvem” sua voz e entendem melhor sua mensagem.

Artigos à parte, seu site precisa da história de como você montou sua empresa, o que te inspirou a começar, um texto sobre você e sua sócia, seu slogan. Isso também é conteúdo e também posiciona sua marca na cabeça das pessoas. Histórias de vida marcam as pessoas e elas não esquecem. Se sua história é linda, inspiradora, engraçada, escreva sobre ela, com as suas palavras, como se estivesse contando para uma nova amiga. As palavras que escrevemos tem a nossa personalidade e isso é esparramado em toda nossa marca.

Por isso ajude seu Web Designer e escreva os conteúdos do seu site com carinho!

Conclusão…

E essa foi a lista das 5 coisas que você precisa ter antes de criar seu site. Tenho certeza que dedicando tempo, criando sua identidade visual, investindo em boas fotos, se posicionando claramente e escrevendo o conteúdo base, seu site vai ser uma obra prima da internet.

E a gente gosta muito de site bonito e com conteúdo viu!

Conte com a CSD para trilhar esse caminho. Consulte nossos serviços aqui ou fale com a gente em nossos canais

Curtiu esse post? Compartilhe com suas amigas empreendedoras.

 

Saiba o Que é e Como Evitar Criar um Site Esquizofrênico

Saiba o Que é e Como Evitar Criar um Site Esquizofrênico

Você sabe o que são “sites esquizofrênicos”?

Quando estudamos posicionamento de marca, aprendemos sobre as doenças da marca e a principal delas é a esquizofrenia:  uma marca que quer ser de tudo um pouco. Em um site isso também pode acontecer.

Óbvio que quem quer agradar todo mundo acaba não agradando ninguém! E essa “doença” costuma acontecer muito no mundo digital, principalmente em sites “faça você mesmo”.  Para não cair nessa armadilha e ter certeza que seu site não está “doente”, veja essas dicas!

Imagine um site onde você vê, ao mesmo tempo, 8 cores diferentes, 5 letras, um logo estilo casual em um layout tradicional, fotos de banco de imagens misturadas com fotos caseiras, com baixa resolução e para terminar, alguns serviços que nem parecem estar conectados entre eles com algumas propagandas na barra lateral: bem vindo a um site esquizofrênico.

Sites nesses formatos são mais comuns do que você imagina. Talvez o seu seja um deles, e acredite, sei muito bem como é tentador colocar tudo o que você vê na web, no seu site!

Para não cair nessa tentação e não transformar seu site em mais um esquizofrênico, separei nesse post o que é de fato essencial para se ter um site saudável.

“Quando você tenta ser tudo para todas as pessoas, você acaba sendo nada para ninguém”.

Maria Ross

IDENTIDADE VISUAL CONSISTENTE

A parte visual de um site é a identidade dele. São as cores, as imagens e as fontes que você vai usar e que as pessoas vão registrar como sendo suas. E cada vez que elas virem um artigo, um post ou uma imagem do seu site, vão saber que veio da sua página e vão lembrar de você.

Por isso a identidade visual é tão importante. E mais importante do que ter uma identidade visual é aplicá-la com consistência.

Para uma identidade saudável determine:

UMA PALETA DE CORES

4 cores específicas da marca

São as cores principais que estarão no logo, nos títulos, nas divisões das seções do site

2 variações

Essas cores podem ser usadas em uma landing page, uma seção do site que você queira dar mais ênfase por algum tempo, entre outras utilidades. São cores complementares ás cores da marca que ajudam a chamar a atenção.

1 cor escura

Que basicamente será a cor do seu texto.

Se não tem ideia de que cores usar, uma ótima referência é seu próprio guarda-roupa. Veja as cores predominantes que tem lá e as que mais usa no seu dia a dia. É uma forma de trazer a sua própria essência visual para a marca. Use cores que agradam você e que passam a sensação que você gostaria para seus clientes.

Para saber mais, leia esse post incrível do Viver de Blog sobre a Psicologia das Cores antes de começar.

A ferramenta que uso para jogar com as cores e gerar as paletas que vou trabalhar é o Coolors.

Você se cadastra e pode salvar quantas paletas quiser, baixá-las para seu computador e sempre ter os números de referência de cada uma para consulta.

FONTES QUE COMBINEM E QUE SEJAM USADAS EM TODO O SITE

As fontes – ou letras – que você usa no seu site são tão importantes quanto as cores. Usar muitas fontes diferentes ou de forma inconsistente, fazem com que seu site não seja levado muito a sério. Por isso veja abaixo as 5 fontes essenciais que você precisa usar:

Fonte do LOGO / Nome da Empresa

É a fonte que você vai usar para representar o nome da sua empresa ou marca pessoal

Fonte para Títulos & Subtítulos

Pode ser a mesma do Logo, mas somente se seu logo não for com uma letra cursiva ou serif. Essa fonte é a mais importante do seu site, então ela precisa ser fácil de ler e chamar a atenção do leitor imediatamente. Um título com a fonte correta pode triplicar as conversões no seu site.

Fonte de ênfase

É a letra que vai ser a “diferentona” cumprindo o trabalho de chamar a atenção para um botão, ou uma seção específica do site. Você não precisa ter uma fonte de ênfase. Ela pode ou não, ser usada.

Fonte do Corpo do Texto

É a letra do conteúdo do site. Ela precisa ser fácil de ler e no mínimo, tamanho 14px. Letras serif e cursivas são PROIBIDAS e a tendência mundial para os sites é que as letras aumentem de tamanho para melhorar a experiência do usuário.

Com isso perceba que estamos falando que um site deve ter no máximo 4 fontes – considerando que seu Logo tenha uma letra que não vai ser usada no site. Qualquer quantidade acima disso, você estará colocando sua credibilidade em risco.

Para me inspirar, uso o Mix Font, um site  que faz combinação de letras e você consegue visualizar essas combinações em vários formatos de mídia.

IMAGENS FALAM MAIS QUE MIL PALAVRAS

O olho humano está sempre em busca de contraste e de formas que lhe sejam familiares. Por isso as imagens são tão importantes e necessárias para representar o que você faz e os serviços que está oferecendo.

Existem dois caminhos para obter imagens de qualidade para incluir em seu site: um bom fotógrafo e/ou um banco de imagens.  Sei que as duas soluções dependem de investimento, mas acredite, esse investimento vale a pena! Fotos em baixa resolução ou feitas em casa com o celular, vão queimar sua reputação. E as fotos do “google imagens” podem te dar uma grande dor de cabeça por causa de direitos autorais.

Conte com os bancos de imagem livre de direitos autorais e use fotos bacanas.

Os sites que uso para baixar fotos grátis e de qualidade são: PexelsPixabay

LAYOUT CLEAN E RESPONSIVO

Layout é o formato do site, o esqueleto dele. Nas plataformas prontas esses formatos são pouco customizáveis e quase todas as páginas ficam muito parecidas umas com as outras. Mas para sites em WordPress, os layouts são praticamente infinitos e escolher o certo para sua marca também requer uma análise do seu negócio.

Um layout clean é quando este não está visualmente poluído com imagens, propagandas, barras laterais, gifs, música. É um site que tem uma navegação clara, suave e agradável aos olhos. E Nada mais irritante do que pop ups e propagandas no meio do texto que você quer ler. Pense em sua própria experiência em sites e liste tudo aquilo que te irrita e evite tudo isso!

Costumo definir meus layouts de acordo com o momento que a empresa está em sua trajetória e também o tipo da empresa e marca que estou apresentando.

O importante é o site ser responsivo e ter as seções necessárias para apresentar sua marca, seu produto ou serviço e fazer a chamada para ação no final.

Em minhas criações utilizo o tema DIVI da Elegant Themes, que é um tema extremamente customizável e fácil de usar.

Evite incluir seções, áreas ou páginas desnecessariamente. Tudo o que for colocar no seu site deve estar de alguma forma ligado ao seu negócio. Exagerar nos pop ups, propagandas e apresentar uma página sem lógica de navegação só irá afastar seus visitantes.

Utilize a regra – Menos é Mais – e seja conciso e objetivo no que vai criar.

Por mais tentador que seja colocar no seu site tudo o que você acha legal em outros sites, pense que sua página deve ser uma extensão de você, de sua essência e do seu negócio. Tentar agradar todo tipo de visitante é impossível. Manter a clareza é o pilar principal para evitar a esquizofrenia da marca e também para alcançar o posicionamento desejado.

Se você achou essas dicas interessantes, compartilhe com seus amigos! Queremos que cada vez mais pessoas aprendam Como Ser Digital e sejam incluídas nessa nova Era.

Se quiser conversar sobre seu site, tome um café virtual com a gente, sem compromisso!

Você sabe por que quer ter um site?

Você sabe por que quer ter um site?

Contratar um web designer para fazer criação de sites é tarefa fácil hoje em dia. Há cada dia mais profissionais de web design excelentes e capacitados para te ajudar com essa tarefa. Mas e você? Está capacitado para instruir esse profissional e explicar para ele o que precisa?

 

Se para você, ter um site se resume a ter um domínio, um provedor e um template, bem-vindo ao fracasso digital.

Todo mundo sabe que ter uma página na internet é imprescindível para qualquer empresa, pessoa que presta serviços ou que está buscando consolidar sua marca pessoal. Porém o que mais percebemos são pessoas correndo para entrar no digital sem nenhum planejamento e sem pensar realmente se essa estratégia vai gerar resultados. O que acabamos vendo é um excesso de páginas na internet que saem do nada e vão para lugar nenhum e pessoas cada vez mais investindo em sites sem antes pensar porque querem colocá-lo no ar.

Saber a razão pela qual você está colocando uma página no ar é tão imprescindível quanto ter a página de fato. E muitas vezes é nesse ponto que os novos empreendedores se perdem.

Nesse post vou apresentar 3 perguntas poderosas que você deve se fazer antes de comprar seu domínio, contratar um web designer e colocar sua página no ar. Porque afinal, não dá pra ser mais um, você tem que ser único.

Pergunte-se: O que VOCÊ quer da internet?

 

A internet e suas ferramentas são incrivelmente eficazes se bem utilizadas. Por isso investir em presença digital sem um objetivo claro, é como investir em uma viagem dos sonhos sem escolher o destino.

Saber para onde apontar seus esforços, suas ideias, sua linguagem e principalmente seu dinheiro é o passo inicial desse processo.

Com certeza você decidiu ter um site por algum motivo específico. Pode ter sido o fato de “todo mundo” ter um site, ou porque você tem um amigo webdesigner e pensou “Por que não?”, ou também pode ser porque você enxerga que o futuro está online –  e está mesmo – e se sente excluído digitalmente ao não estar presente na internet.

Seja qual for o motivo que te levou a se perguntar o que é preciso para ter uma página, saiba que o que você precisa antes de tudo é entender de que forma a internet pode ajudar você.

Pare e pense:  O que você quer da internet é ganhar seguidores? Alcançar mais pessoas com sua mensagem? Gerar mais contatos? Mais vendas? Até onde quer chegar investindo em sua presença online?

Para cada objetivo existe uma estratégia diferente. Não adianta nada contratar a melhor agencia digital do planeta se você não sabe para onde apontar o canhão.

Então pense, olhe para dentro, faça-se essas perguntas uma e outra vez: O que EU quero da internet? Por que quero ter um site?

Quando sua resposta estiver na ponta da língua, é hora de seguir em frente.

Qual o objetivo principal do site?

 

Opa como assim? Não acabamos de definir isso?

Não…. Definimos O QUE você espera alcançar com sua página e qual a sua realização pessoal em fazer isso. O objetivo do site é COMO você vai chegar lá. Existem infinitos formatos de site, mas a diferença está nos detalhes.

Então, baseado no que você quer da internet, você precisa definir qual a função do site. Seria informar as pessoas sobre seus serviços? Ganhar autoridade? Vender seus produtos? Atrair novos clientes?

É com essa definição em mãos que o site começa a ter forma e fazer sentido para todos os envolvidos no projeto.

Se, por exemplo, o que você quer é mais autoridade, é preciso ter um blog com conteúdo, uma estratégia forte nas redes sociais e interagir com o público diariamente.

Mas, se o objetivo é vender produtos, um outro formato de site é desenvolvido e o que pesa mais é a organização dos produtos, a rapidez na navegação e as integrações com correios e pagamentos.

O que precisa ficar claro é que o objetivo do site é fundamental para nortear as estratégias que o Web Designer vai usar para desenvolve-lo.

Por isso, tenha essa resposta em mãos quando for conversar com seu amigo web designer.

Quais são suas inspirações digitais?

 

Independente da área de atuação que você esteja, 100% de probabilidade de alguém já estar fazendo a mesma coisa e 98% de chance de estar fazendo muito melhor do que você imagina.

Com 139 milhões de brasileiros conectados é de se esperar que sua ideia já tenha sido executada por alguém. E tudo bem! Porque mesmo estando lá na frente essas pessoas tem seu próprio jeito de atender seu público e você está aqui porque precisa explorar e entender o seu jeito de atender o seu público.

Então, para você que está começando no mundo digital e a tarefa de instruir corretamente o web designer pode ser frustrante. Sorte que na internet tem tudo né?

Para começar a ser digital com o pé direito, é preciso muita pesquisa, leitura e inspiração.  E ouça quando digo que isso FAZ TODA A DIFERENÇA na hora de explicar o que você espera da sua página.

Quem já faz o que você quer fazer? Como ele faz? Como ele apresenta seus produtos e serviços? O formato da página dele te agrada? Se sim. Por que?  Se não, por que?

Pessoas, empresas, ídolos e ícones da sua área devem ser as suas referências e inspirações na hora de decidir como será o seu site. Eles já estão lá, eles já testaram, já gastaram tempo e dinheiro e chegaram em um formato de sucesso que faz sentido para eles, mas que podem ser uma ajuda enorme para quem está começando.

Busque empresas que você admira, pessoas que você respeita, páginas que você gosta de entrar – não precisa nem ser da sua área – assine newsletters, siga-os no Facebook, no Instagram, no Linkedin. Analise as palavras que eles usam, a postura que eles adotam e como eles se comunicam com seu público e APRENDA. Quanto mais referências tiver, mais fácil explicar para seu web designer que caminho seguir.

As ferramentas que eu uso para essa etapa de pesquisa são o POCKET, o EVERNOTE ou o próprio Pinterest.  Vá salvando tudo o que você gosta e que faz sentido para você, para sua marca ou empresa. Isso será fonte infinita de inspiração e solução para seu amigo web designer.

 

Agora que você sabe as perguntas iniciais que devem ser feitas para você mesmo antes de comprar seu domínio, vai ficar muito mais fácil planejar a sua entrada no mundo digital.

 

Pode parecer um processo lento, mas saber de antemão seus objetivos, o objetivo do site e quais são suas inspirações digitais, é um passo que muita gente pula, mas que com certeza faz toda a diferença no desenvolvimento do seu novo site.

Então não perca mais tempo e mãos à obra!

Conta pra gente se essas dicas foram valiosas e se tiver outras dicas para compartilhar o espaço aqui é seu!

[instagram-feed]

Pin It on Pinterest

WhatsApp chat